Vila da Serra - +55 31 2342-0700 / 31 99569-9150 Varginha - +55 35 3222-2752
Seg à Sex, de 08:00 às 18:00 – Sáb de 08:00 às 12:00

Diferenças entre Fertilização in Vitro e Inseminação Artificial

Data da publicação: 07/07/2021

Em termos de tratamento de fertilidade para um casal que deseja realizar o sonho de ter um bebê, existem muitas opções a serem consideradas com base nas necessidades específicas de você e de seu parceiro. 

A Clínica Vilara oferece a Inseminação Intra-uterina e a Fertilização In Vitro, sendo comum que algumas pessoas possam estar mais familiarizadas com um termo do que com o outro, e, geralmente, não sabem a diferença entre os dois ou o significado de cada tratamento. 

Embora seja importante discutir sua situação específica com um especialista em fertilidade, você deve compreender a diferença entre os dois procedimentos.

O que é a Inseminação Intra-uterina?

A Inseminação Intra-uterina, também chamada de Inseminação Artificial, é um procedimento simples realizado em consultório, onde o sêmen do parceiro é colocado no útero da mulher.

Antes da inserção, o laboratório “lava” o esperma, onde o líquido seminal é removido e concentrando-o, restando apenas os espermatozoides móveis. A inseminação pode ser realizada com a ajuda de tratamentos de fertilidade para aumentar a ovulação ou durante o período de ovulação natural da mulher. 

No procedimento, os espermatozoides são colocados diretamente na cavidade uterina, encurtando assim sua jornada através da trompa de Falópio.

Isso aumenta o número de espermatozóides que têm chance de encontrar um óvulo.

O que é a Fertilização In Vitro?

A Fertilização In Vitro é um procedimento de tratamento de fertilidade ou tecnologia de reprodução assistida em que espermatozóides masculinos e óvulos femininos são combinados fora do sistema reprodutor feminino em um laboratório.

Antes da fertilização, as mulheres tomam medicamentos para estimulação ovariana que ajudam a recuperar os óvulos com sucesso. A retirada dos óvulos é realizada sob sedação e a fecundação é realizada no mesmo dia.

Após a fertilização, o embrião é monitorado cuidadosamente para determinar quando ele deve ser transferido para o interior do útero.

Quais são as maiores diferenças entre Fertilização In Vitro e Inseminação Artificial?

A principal diferença entre as duas é que na Inseminação Artificial, a fertilização ocorre internamente. Ou seja, os espermatozóides são colocados diretamente na parte uterina da mulher. Portanto, se a fertilização for bem-sucedida, o embrião começa a se implantar.

Já na Fertilização In Vitro, a fertilização ocorre externamente, ou fora do útero, em um laboratório. O espermatozóide e o óvulo são combinados para a fertilização e, após esse processo, um ou mais desses óvulos fertilizados com sucesso seriam colocados no útero da mulher. 

Idealmente, o óvulo fertilizado seria então implantado no revestimento do útero, resultando na gravidez e no parto de um bebê ou bebês a termo.

A Fertilização In Vitro têm taxas de sucesso mais altas do que a Inseminação Artificial, que é consideravelmente mais barata do que a Fertilização In Vitro e menos invasiva. 

Em geral, é recomendável que os casais experimentem três rodadas de Inseminação Artificial antes de passar para a Fertilização In Vitro.

A Sociedade de Reprodução Assistida afirma que a taxa de sucesso de Fertilização In Vitro nos Estados Unidos para mulheres de todas as idades é de cerca de 30%, mas aumenta se a mulher tiver menos de 35 anos.

O que os dois procedimentos têm em comum?

Os dois procedimentos têm alguns fatores em comum e, principalmente, estão relacionados à preparação para o tratamento e aos processos básicos da concepção humana.

Tanto antes da Inseminação Artificial quanto da Fertilização In Vitro o médico utiliza medicação para estimular a ovulação,

Com o objetivo de aumentar as chances de se conseguir uma gravidez.

 Além disso, ambos os tratamentos podem incluir processos para isolar os espermatozoides de mais alta qualidade das amostras fornecidas para uso na fertilização.

Para que a Fertilização In Vitro e a Inseminação Artificial sejam bem-sucedidas, um óvulo deve ser fertilizado e, em seguida, implantado no revestimento do útero e se tornar um bebê a termo. Essa é praticamente a versão básica da mecânica interna da concepção humana.

O que um casal precisa ter para tentar um dos procedimentos?

A Inseminação Artificial é o tratamento de fertilidade mais comum.

É um tratamento indicado para casos de infertilidade sem causa conhecida ou commpequena alteração na motilidade dos espermatozóides.

Por causa disso, a Inseminação Artificial requer ovários ativos, uma porcentagem de espermatozóides móveis ​​e trompas de falópio sem problemas.

Se você ou seu parceiro não atenderem aos requisitos para a Inseminação Artificial, você pode considerar a Fertilização In Vitro.

A Fertilização In Vitro é indicada para muitos tipos de infertilidade, incluindo problemas com o útero, problemas nas tubas uterinas, endometriose, fatores de idade, baixa contagem de esperma e/ou motilidade, infertilidade inexplicada e outros. 

A FIV também pode ser ideal para quem deseja usar óvulos de doadoras ou substitutos.

Para obter o melhor atendimento de Fertilização In Vitro ou Inseminação Artificial é fundamental escolher uma clínica de reprodução humana de confiança, e diante deste novo cenário que estamos vivendo, a Clínica Vilara está oferecendo aos pacientes uma nova possibilidade para a realização de consultas online conhecida como Telemedicina. Nossa clínica possui!

Se você quer ter acesso a mais conteúdos como este, não deixe de continuar acompanhando o nosso blog e também de curtir nossa página no Facebook e seguir nosso perfil no Instagram.

 



Texto revisado por:

Dr.Marco Melo / CRMMG 30246

Médico ginecologista. Membro da Comissão Nacional Especializada em Reprodução Humana-FEBRASGO, Mestre e Doutor em Ginecologia e Obstetrícia pela UFMG, Pós-doutor pelo Instituto Universitário-IVI, Universidade de Valência (Espanha), Especialização em Biologia Molecular da Implantação Embrionária pelo FIVIER (Espanha), Master em Ginecologia Endócrina e Reprodução Humana pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha), Editor da Revista Cadernos de Medicina, Membro da Câmara Técnica de Reprodução Humana do CRM-MG. CRMMG 30246

> Currículo Lattes